Devido à crescente necessidade de reduzir custos e acelerar os prazos no cronograma das obras, o contrapiso autonivelante vem sendo cada vez mais adotado pelas construtoras, competindo com o contrapiso convencional/tradicional. O contrapiso autonivelante pode ser definido como um sistema composto por uma argamassa à base de cimento de alto desempenho, auto adensável, autonivelante, bombeável e de fácil aplicação. O fato de ser auto adensável significa que a argamassa não precisa ser vibrada ou compactada manualmente pois o peso próprio e a força gravitacional garantem o escoamento da mesma.

O primeiro passo para entender este sistema de contrapiso é a compreensão dos procedimentos de execução. No processo executivo do contrapiso autonivelante, a superfície em que o contrapiso autonivelante será aplicado deve estar devidamente limpa e livre de sujeiras e resíduos (o não cumprimento desses procedimentos prejudicará a aderência da argamassa na base, prejudicando o desempenho do sistema). As imagens de 1 à 4, anexadas abaixo, mostram os funcionários executando a limpeza da laje de um pavimento onde o contrapiso será posteriormente executado.

As soleiras devem ser identificadas por meio da colocação de pedaços de madeirite nas demarcações das portas, os quais irão atuar na contenção do concreto (Imagem 5). A primeira fiada de alvenaria, caso exista, deve ser protegida contra o contato com o concreto por meio de pedaços de isopor (da altura da espessura do contrapiso), evitando assim a dilatação dos blocos cerâmicos (Imagem 6).

As juntas de dilatação devem ser demarcadas e selante deve ser aplicado sobre a superfície. Após a preparação da superfície, a argamassa é bombeada até o pavimento por meio de um equipamento acoplado à uma bomba (Imagem 7). O acabamento final do contrapiso é feito a partir do uso de um rodo específico (Imagem 8). As fotografias deste artigo foram tiradas na torre Barcelona do empreendimento Metropolitan Business & LifeStyle, no Jardim Goiás, durante a execução do contrapiso autonivelante em um dos pavimentos tipos.

Veja algumas vantagens que podem ocorrer através de um bom planejamento:

  • Redução no prazo
  • Redução no custo
  • Redução da espessura do contrapiso
  • O contrapiso é bombeável: Dispensa a subida de sacos de cimento e areia para o pavimento, deixando a cremalheira livre para a subida de outros itens necessários à obra (o transporte é vertical).
  • Não é necessária a compactação da argamassa.
  • Dispensa lixamento e desempeno.
  • Argamassa com excelente isolamento térmico e acústico.
  • Boa resistência mecânica.
  • Serviço que gera menor desperdício de material e deixa a obra mais limpa.
  • Rápida liberação do ambiente: 24 horas, contra os 14 dias necessários para a cura dos pisos cimentícios convencionais.

Apesar das vantagens apresentadas, esse sistema de contrapiso possui algumas limitações que devem ser levadas em consideração, listadas a seguir:

  • Não recomendado para superfícies inclinadas (declives e aclives).
  • Contraindicado para superfícies sobre solo com umidade ascendente.
  • Contraindicado para superfícies que são expostas à agentes químicos, óleos e graxa, pois esses materiais podem alterar as propriedades da argamassa.
  • Uso somente em interiores.
  • A quantidade de água utilizada na mistura deve ser cuidadosamente dosada para evitar enfraquecimento das propriedades do produto.
  • A temperatura do substrato deve ser superior à 10°C.
  • Necessidade de uma mão de obra especializada.

Autora deste artigo: Lorena Urzêdo

Contrapiso Autonivelante – Dicas de Construção Civil