O azulejo ou placa cerâmica é um dos materiais mais conhecidos no universo da construção civil, geralmente os clientes gostam de participar da escolha, pois é um elemento diretamente ligado à estética da edificação.

Entretanto suas especificações confundem até mesmo profissionais na hora da compra. Por definição, uma peça cerâmica é o produto obtido através da moldagem, secagem e cozimento de argilas ou de misturas contendo argilas, se tornando uma pedra artificial amplamente consumida em todo planeta.

O primeiro passo é determinar o local de aplicação, ou seja, se é para piso, parede (revestimento), área interna ou externa e se é para área molhada ou seca. Deve-se também analisar as condições de uso, pois um piso para garagem, por exemplo, deve ter resistência mecânica maior em relação ao piso de um banheiro, assim como o piso de uma academia em comparação com um de farmácia por exemplo.

Definido o local, parte-se então para classificação da análise das propriedades físicas em geral, baseadas na NBR 13817/97-Placas cerâmicas para revestimento-Classificação e NBR 13818/97-Placas cerâmicas para revestimento- Especificação e métodos de ensaios. A ordem aqui colocada não é a que necessariamente deve ser seguida.

  • Método de fabricação: extrudada (quando a argila é trabalhada em estado pastoso), prensada (a mais usada) ou por outros métodos.
  • Esmaltadas ou não esmaltadas: representadas respectivamente pelas siglas derivadas do inglês GL e UGL;
  • Absorção de água: representa o índice de absorção de água da placa cerâmica. A tabela 1 abaixo indica os grupos de absorção de água, e a tabela 2 indica os grupos de absorção de água de acordo com o método de fabricação.                                                                                 Tabela 1: Grupos de absorção de água.                                                                                 Tabela 2: Grupo de absorção de água em função do método de fabricação.

     

  • Classe de resistência à abrasão superficial: corresponde ao famoso PEI (Porcelain Enamel Institute). O teste para classificação do PEI consiste em submeter uma placa cerâmica à ação de uma esfera metálica se movimentando em círculos sobre a superfície esmaltada, e de acordo com seu desempenho ela é classificada em uma escala de 0 a 5. Essa classificação é exclusiva para peças esmaltadas. Veja na tabela abaixo a destinação específica das placas cerâmica segundo seu PEI.

                                                                                        Tabela 3: Classificação PEI e usos recomendados.

  • Resistência ao risco: esse índice é dado de acordo com a escala Mohs, e comumente relacionado à resistência à dureza. Esse item deve ser bem observado, pois a areia é um dos materiais que mais riscam pisos, portanto na escolha de uma cerâmica para garagem, por exemplo, o índice de resistência ao risco deve ser alto, em decorrência da alta quantidade de areia trazida pelos pneus do carro. O tipo de material mineral usado na fabricação das placas cerâmicas será a referência para determinação do índice de resistência ao risco, conforme pode ser observado na tabela a seguir.

                                                                                       Tabela 4: Classificação Mohs, segundo tipo de material mineral.

  • Resistência ao manchamento: na prática indica o grau de facilidade de limpeza da placa cerâmica em uma escala de 0 a 5, conforme mostrado na tabela 5. Consequentemente quanto mais fácil de limpar, menor a chance de manchar.

                                                                                        Tabela 5: Classificação quanto ao grau de limpeza. 

  • Resistência química: corresponde a resistência da placa cerâmica quanto ao ataque de agentes químicos, como produtos de limpeza por exemplo. As peças são divididas em três classes, A,B e C, conforme observado na tabela abaixo.

                                                                                       Tabela 6: Classificação quanto a resistência química. 

  • Resistência ao escorregamento/deslizamento: característica que indica o grau de atrito entre pessoas, carros ou objetos e a placa cerâmica,classificado de acordo com o coeficiente de atrito, detalhado na tabela 7.

                                                                                Tabela 7: Classificação quanto ao deslizamento, coeficiente de atrito.

Existem outras informações além das citadas acima para classificação das placas cerâmicas, como resistência ao choque térmico, resistência ao gretamento (surgimento de gretas e fissuras na superfície esmaltada), resistência à abrasão profunda, resistência ao congelamento, resistência ao impacto, resistência à radiação solar, resistência a flexão, expansão por umidade e dilatação térmica. Porém muitas dessas classificações são para efeito de ensaios.

As principais características usadas para escolha de uma placa cerâmica são informadas pelo fabricante na própria embalagem. Lembrando que é essencial fazer um planejamento antes de ir à compra, definindo o local de aplicação, quais atividades serão realizadas nele e as quais fenômenos naturais às placas estarão sujeitas (sol, chuva). Munidos dessas informações as chances de acertar na escolha serão maiores, conferindo maior vida útil à edificação.  Além da satisfação de ter escolhido uma cerâmica com as propriedades técnicas adequadas de acordo com as normas.

ESCRITO POR: 

Especificações para a escolha de piso cerâmico